COMO É QUE DESPERTAS?

COMO É QUE DESPERTAS ...!!!

QUEM VOCÊ REALMENTE É !!!

QUEM VOCÊ REALMENTE É !!!

Quem é você realmente -legendado BR from Shunyata on Vimeo.

O UNIVERSO ELEGANTE - O TECIDO DO COSMOS - BRIAN GREENE












O UNIVERSO COMO MULTIPLAS REALIDADES PARALELAS - BRIAN GREENE



Espaço. Ele separa você de mim, uma galáxia de outra, átomos de outros. Ele está em qualquer lugar do universo. Mas para a maioria de nós, espaço é um vazio. Bom, acontece que o espaço não é o que parece.
De um assento de passageiros em um táxi de Nova York viajando próximo a velocidade da luz à um salão onde mesas de sinuca fazem coisas fantásticas. Brian Greene revela o espaço como uma fábrica dinâmica que pode esticar, torcer, esticar, entortar a ondular-se através da influência da gravidade.
Mais estranho ainda é o ingrediente mais novo do espaço que na verdade constitui mais de 70 porcento do universo. Físicos chamam de Energia Escura porque eles não sabem o que tem lá, viajando pelo espaço e o espandindo cada vez mais rápido, eles não tem ideia do que seja.







A Origem do Tempo

 

O que é o tempo? Esta é uma questão que ocupou espaço dentro de muitos cérebros brilhantes, desde os filósofos antigos até aos cientistas do iluminismo e além.
Ainda assim, após milhares de anos de contemplação e progresso científico, ainda não há consenso sobre sua natureza. “Podemos reconhecer o tempo mas não podemos entendê-lo”, diz o filósofo Julian Barbour. “Vale apena comentar que não um consenso geral sobre o que é o tempo ou mesmo como investigar uma solução para ele.”
Talvez possa ser isso mesmo porque um profundo entendimento do tempo provou-se quase supérfluo para o nosso progresso. Na física, por exemplo, As leis do movimento de Newton, a Teoria da Relatividade de Einstein e a Teoria Quântica não requerem que nós saibamos sobre a natureza do tempo de forma a fazê-las funcionar. Até mesmo os fabricantes de relógigios nãop precisam entender sobre o tempo.
Os relógios, entretando, nos dão uma pista sobre onde concentrarmos nossos esforços, porque  um relógio necessita de alguma espécie de parte móvel para que se possa medir o deslogamento do tempo. Poderia ser através da oscilação de um cristal de quartzo ou uma ejeção de uma partícula de um átomo radioativo – de uma forma ou de outra, deve existir um movimento.
Quando algo se move, ele muda. Assim, os relógios nos dizem que o tempo é complicadamente ligado à mudança, mesmo que essa informação nos afaste ainda mais de seu entendimento. A partir deste ponto, existem dois caminhos que nos levam à direções opostas de como devemos ver o tempo.
A primeira, conclui que o tempo é real, uma propriedade fundamental do universo. Como o espaço ou massa, ele existe por si mesmo. Ele próprio oferece condições suficientes para que eventos ocorram. Este era a visão tomada por Isaac Newton, que percebeu que para quantificar o movimento, você tem que tratar o tempo como se ele fosse tão sólido quanto  as paredes de uma casa. Somente assim você poderá medir com precisão o quanto e com que velocidade um objeto está se movendo.
Einstein livrou-se desta noção de rigidez mostrando que o tempo passa à taxas diferentes dependendo do movimento do observador e a força da gravidade que atuam sobre eles. Sua teoria abandona a noção de que o espaço-tempo devem coexistir e ainda foi mais longe ao dizer que “o tempo não é nada mais que uma ilusão teimosa e persistente”.  Mesmo assim, o espaço-tempo pode ainda nos dar uma referência útil para que possamos medir o cosmos, ou como o Físico Brian Green escreveu em seu livro “A Fábrica do Cosmos”, “o espaço-tempo é alguma coisa”.
O segundo caminho nos leva para a idéia de que as mudanças são as propriedades fundamentais do unvierso e que o tempo emerge dos nossos esforços  para organizar as mudanças do mundo que vemos a nossa volta. O grande rival de Newton, Gottfried Leibniz favoreceu este estilo de interpretação, que sugere que o tempo não é real, mas criado dentro de nossos cérebros. Assim, tempos que encarar neste momento um enigma: o tempo é real?
Físicos e Filósofos ainda debatem tal questão, principalmente porque a mecânica Quântica turva ainda mais esta questão. Uma das principais razões é que as respostas poderiam nos guiar em direção à “Teoria de Tudo” que poderia explicar todas as  partículas e forças da natureza.
Uma outra questão também cresce cada vez mais. Se o tempo é real, de onde ele vem? Até recentemente, muitos físicos assumiram que ele foi criado no big-bang, quando a matéria, energia e o espaço nasceram. Qualquer noção de que o tempo existiu antes do big-bang é portanto considerado irrelevante. Agora porém, eles não têm certeza.”Não temos direito  de dizer que o tempo e o universo começaram no big-bang, ou que houvesse alguma espécie de pré-história”, diz Sean Carrol do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena. “Ambas as opções estão sobre o amesa e pessoalmente, eu sou a favor de que o universo sempre existiu”.
A Teoria das Cordas é que nos leva a refazer nossas perguntas. Nestas extensões hipotéticas da física padrão, a realidade é composta de mais dimensões que nossos conhecidos quatro, embora não possamos diretamente perceber as outras que existem, eles permitem que existam lugares para universos alternativos existirem. Estes universos brotam umas das outras em sequências perpétuas de big-bangs, significando que noso universo nasceu de uma outra e assim, trazendo a idéia de que o tempo existiu antes do nosso big-bang. Universos anteriores podem até ter deixado resqícios de si próprios em nosso próprio universo.
Em 2008, Carroll e seus colegas, argumentaram que peculiaridades deixadas pela radiação do big-bang podem ser a assinatura de universos anteriores. No ano passado, Roger Penrose, da universidade de Oxford e Vahe Gurzadyan do Yerevan State University na Armênia, foram muito mais longe e disseram que a camada de micro-ondas cósmica (CMB – Cosmic Microwave Background) foram evidenciadas de uma sequência de universos anteriores e debig-bangs. Teremos uma oportunidade de testar estas idéias quando o satélite  Planck da Agência Espacial Européia liberar seu mapa do CMB daqui a alguns anos.
No momento, não há uma forma simples de escaparmos da dificuldade enorme destas questões, nem mesmo de concebermos a verdadeira profundidade das respostas que um dia poderemos chegar a conhecer. Agora, mais do que nunca, temos que encarar nossa grande ignorãncia sobre o tempo. 


[Stuart Clark]







[Tradução do New Scientist - 2011-10-08 - October Issue - Páginas 38 e 39]





Namastê!



OM...




Lavínia Harue




 


Um comentário:

MEDITAÇÃO - A VIAGEM INTERNA - REALIDADE ESPIRITUAL

MEDITAÇÃO - A VIAGEM INTERNA - REALIDADE ESPIRITUAL

O SILÊNCIO DE SER ....









POR UM MOMENTO, DEIXA TUDO E MERGULHA EM TI PRÓPRIO....











QUEM É VOCÊ REALMENTE... !!!









p>